PIX é realmente seguro?!

Por Maria Fernanda Batista e Dayane Martins

Hoje tornou-se comum o uso do Pix. Isso se deve ao fato de ser um meio de pagamento que facilita a transferência de valores, além do pagamento de contas e recolhimento de impostos. Também possibilita fazer pagamentos em estabelecimentos. 

Diferente do que pensam, ele não é um aplicativo e sim um meio, assim como o boleto, TED, DOC, cartões de crédito ou débito. A diferença é que o Pix permite que qualquer tipo de transferência e de pagamento seja realizada em qualquer dia, incluindo fins de semana e feriados, e em qualquer hora. 

Para o uso deste meio basta ter uma chave, ela serve para identificar uma conta. As chaves dividem-se em 4 modalidades: 

  • CPF ou CNPJ; 
  • e-mail; 
  • número de telefone celular; 
  • chave aleatória.

Por ser uma transação sem limite mínimo de transferência e com dados de identificação relativamente fáceis de serem cadastrados, teve uma rápida popularização. Contudo, toda essa facilidade e agilidade de transação bancária tem gerado alguns problemas de segurança, isto é, aumento das fraudes. 

E será que o Pix é realmente uma ferramenta segura? 

A resposta é sim, pois a chave Pix possui as mesmas camadas de autenticação e criptografia que outras formas de transferência como TED ou DOC. Mas você precisa ficar atento a golpes e fraudes feitos via engenharia social. 

O que está acontecendo, é que o usuário pode estar guardando as informações confidenciais de forma descuidada e, com isso, toda a segurança é colocada em risco. Isto porque, boa parte das fraudes estão ocorrendo através do cadastramento das chaves do Pix, chamado phishing, uma técnica de fraude online que consiste no envio de mensagens falsas com objetivo de coletar senhas de banco e informações pessoais. 

Dessa forma, deve-se adotar os mesmos cuidados que você adotava antes de fazer qualquer transação financeira. Confira algumas dicas para aproveitar os benefícios do Pix de forma segura: 

  • Cuidado com os e-mails de convites de pré-cadastro do Pix;
  • Apostar na criação de senhas complexas;
  • Nunca passar informações de acesso a outras pessoas ou anotá-las em locais comuns;
  • Manter os equipamentos com seus sistemas operacionais sempre atualizados e ativos, como firewalls, antivírus, entre outras ferramentas de proteção.
  • Garantir o valor a ser transferido e o destinatário;
  • Não acesse links encaminhados por e-mails, postagens em mídias sociais ou SMS provenientes de pessoas e órgãos estranhos;
  • Confira antes o endereço do site em que você está inserindo os seus dados.

Estas são algumas dicas, que não valem somente para o PIX, mas, sim, para qualquer acesso ao banco. É importante utilizar sempre um equipamento próprio para esse fim, não acessar um computador ou celular desconhecidos.

Dessa forma, podemos dizer que o Pix é uma ferramenta segura e muito prática que veio para ficar, mas como todos os outros meios transações merecem sua atenção ao utilizá-la. 

 

Maria Fernanda Batista

Bacharelanda em Direito pela Universidade de Marília (Unimar).

Estagiária na Immunize System

  

Dayane Martins

DPO Responsável Técnica na Immunize System

Advogada e consultora jurídica. Bacharel em Direito pela Universidade Federal de Goiás. Especialista em proteção de dados pessoais

 

Referências:

  1. https://minutodaseguranca.blog.br/pix-o-que-nao-te-contaram/
  2. https://superdigital.com.br/blog/categorias/como-funciona/o-pix-e-seguro-veja-como-evitar-fraudes-no-pix
  3. https://blog.bling.com.br/o-que-sao-as-chaves-do-pix/?utm_source=google&utm_medium=cpc&utm_campaign=geral&utm_content=dsa&utm_term=geral&utm_name=performa_dsa_geral&gclid=CjwKCAjw87SHBhBiEiwAukSeUfOfDvWyhx8pNPKNykrLDWAW8WzILftjMF8EUGLUVpZG8dvSJO9McxoCF_oQAvD_BwE


adequação-lgpd-lei-dados

O que o PIX e a LGPD têm em comum?

Lançado em novembro de 2020, o PIX é uma inovação bancária que tem como proposta permitir que pagamentos e transferências sejam feitas instantaneamente, 24 (vinte e quatro) horas por dia, durante todos os dias do ano (inclusive finais de semana e feriados).

Com certeza, você já deve ter recebido uma notificação do aplicativo de seu banco solicitando o cadastro das chaves PIX. Como funciona? Estas chaves têm como finalidade diminuir o conjunto de informações que precisamos fornecer ao realizar uma transação bancária. Sendo assim, você precisará cadastrar apenas o número de seu CPF, seu endereço de e-mail ou o número de seu celular.

Mas o que o PIX tem em comum com a LGPD? Podemos dizer que as chaves cadastradas são dados pessoais, pois, a partir delas, é possível identificar o titular da conta bancária. Além disso, a Lei determina em um de seus princípios que, para a segurança de todas as pessoas, devemos sempre compartilhar o mínimo de dados possível e, com o cadastro das chaves PIX, não precisaremos mais compartilhar um grande conjunto de informações (nome completo, CPF, número da agência e da conta bancária) – e sim apenas um dos dados escolhidos por nós mesmos (CPF, e-mail ou número do celular).