Ainda tem dúvidas se sua empresa precisa se adequar à LGPD?

Leia atentamente e responda com sim ou não:

  • Sua empresa coleta dados de clientes para realizar alguma ação dentro da empresa?
  • Sua empresa coleta informações por meio de sites e aplicativos para vender produtos ou serviços?
  • Sua empresa analisa o comportamento dos clientes para sugerir conteúdo específico?
  • Sua empresa mantém as informações de colaboradores armazenadas e as utiliza para pagamentos de salários?
  • Sua empresa terceiriza a coleta, armazenamento e/ou tratamento de dados pessoais de clientes ou funcionários?

         Se você respondeu sim a pelo menos uma das perguntas, sua empresa precisa sim se adequar à Lei, e muito rapidamente.

         A visibilidade das empresas perante os consumidores se torna duvidosa quando acontece algum vazamento de dados ou invasão digital de sistema e com isso gera desconfiança por parte dos clientes, afinal, ninguém quer sofrer esse tipo de violação.

         Mas, afinal, quais são os dados que necessitam de proteção? Aqueles que podem identificar alguém, como nome, RG, CPF, ou qualquer característica que permita que uma pessoa seja identificada. Portanto, uma vez que as empresas têm que lidar com tais informações, elas precisam estar adequadas à LGPD.

         As empresas devem focar em medidas concretas de boas práticas para proteção de dados pessoais. Isso possibilitará uma melhor adequação à Lei e, principalmente, diminuirá incidentes de segurança que causam prejuízos financeiros e à imagem, tanto das corporações, como dos titulares dos dados.

         O principal passo para uma adequação correta é entender como a sua empresa funciona como um todo, é preciso realizar um mapeamento de dados pessoais. Neste caso, uma solução perfeita seria o uso de um software de gestão CONTÍNUA de dados pessoais com abrangência total da LGPD, assim como o DPOnet! Saiba mais em: dponet.com.br

         Assim ficou fácil de visualizar quem precisa se adequar, não é mesmo? A partir disso, sua empresa e você terão mais facilidade em buscar ajuda especializada para manter a organização em compliance com a lei.

Por Vitória Ribeiro